Embrapa treina produtores do Médio Mearim em Boas Práticas de Fabricação

Com o objetivo é contribuir com a melhoria da qualidade da produção das agroindústrias do Médio Mearim, agricultores familiares e agroextrativistas do babaçu da região do Médio Mearim receberam treinamento em Boas Práticas de Fabricação, ministrado pela Embrapa Agroindústria do Rio de Janeiro.

O curso foi promovido pela Associação em Áreas de Assentamentos no Estado do Maranhão (Assema) com apoio do PNUD, por meio do Projeto Bem Diverso, no período de 28 a 31 de outubro, em Pedreiras/MA.

Participaram do curso, produtores que trabalham com agroindústrias do babaçu (fábrica de sabonete, farinha de mesocarpo, fabricação de óleo) e produção de polpas de frutas, geleias e bebidas.

Na ocasião, foram abordadas questões como princípios de higiene e sanitização de alimentos, transporte e armazenamento de produtos processados de origem extrativistas, ferramentas de gestão e de qualidade, visando a formação de quadros técnicos para operar sobre conhecimentos específicos relacionados à segurança na produção de alimentos tratados por Normas Regulamentadoras emitidas pelos ministérios.

“Estávamos precisando desta capacitação para nossos produtores agroextrativistas que trabalham com a produção de alimentos nas agroindústrias. Por isso é importante esta parceria com a Embrapa e o projeto Bem Diverso para capacitar os produtores e dar mais qualidade ao nossos produtos. O curso também vem complementar as ações de outro projeto, o APL Babaçu, apoiado pelo Fundo Amazônia, dentro das estratégias da Assema em promover o desenvolvimento da agricultura familiar e do agroextrativismo do babaçu da região”, afirmou Francisco Germano, coordenador Geral da Assema.

Com aulas práticas e teóricas, o curso também promoveu uma visita à unidade de produção de farinha de mesocarpo de babaçu, na Coopaesp (Cooperativa de Produtores Agroextrativistas de Esperantinópolis), no município de Esperantinópolis/MA, onde participantes conheceram todo o processo da produção, desde a extração do floco até à fábrica de processamento da matéria-prima. A farinha de mesocarpo é utilizada na culinária (mingau, bolos, biscoitos), sendo utilizada também em algumas escolas na merenda escolar.  O mesocarpo também está sendo vendido atualmente para indústrias de cosméticos.

Para a agroextrativsta Maria Cristina, o curso de boas práticas proporcionou conhecer a parte teórica de manejo e cuidados que se deve ter com o produto. “O curso nos trouxe esta oportunidade de melhorar o nosso produto pra gente e para o consumidor”, disse Maria Cristina.

O projeto Bem Diverso é uma iniciativa da Embrapa em parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, o PNUD e conta com recursos Fundo Global para o Meio Ambiente (GEF).  “O Bem Diverso tem objetivo principal a conservação da sociobiodiversidade, tendo com pilar o desenvolvimento econômico local nos territórios onde atua, gerando renda e trabalhado para as comunidades. Atuamos em três biomas Amazônia, Caatinga e Cerrado. No bioma cerrado, atuamos, entre as áreas, no Médio Mearim do Maranhão”, explicou o consultor do projeto, João Ávila.

O treinamento foi destinado a produtores de alimentos em agroindústrias. “A ferramenta Boas Práticas de Fabricação é uma forma de você demonstrar e aplicar a qualidade dentro de seu processamento de forma garantida. Dentro deste projeto Bem Diverso, preparamos uma dinâmica de forma que eles pudessem assimilar com toda a garantia de qualidade. O nivelamento contempla microbiologia de alimentos e também as boas práticas de fabricação em si, desde a área de processamento da área da agroindústria e a dinâmica de produção, ou seja, as questões operacionais, de como devem ser para que no final eles possam ter um produto de alta qualidade. Pudemos perceber durante o treinamento que eles assimilaram bastante o conhecimento”, disse Roberto Luiz Pires Machado, analista da Embrapa Agroindústria do Rio de Janeiro.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

deixe seu comentário