Coppalj é exemplo cooperativismo para fortalecimento do campo

O cooperativismo é uma das estratégias de fortalecimento para mulheres, homens e juventude do campo, a exemplo do que já acontece com a Cooperativa de Pequenos Produtores (as) Agroextrativistas de Lago do Junco (Coppalj).

A questão foi um dos assuntos discutidos durante o Seminário sobre Questões Agrárias no Maranhão, realizado no Campus da UFMA, em Bacabal, entre os dias 18 e 19 de outubro.

A Coppalj, que produz óleo de babaçu, em Lago do Junco/MA, foi apresentada durante o seminário como um caso de sucesso de cooperativismo que surgiu para fortalecimento dos agroextrativistas da região do Médio Mearim.

Na ocasião, o representante da Coppalj, Jesse Lima, jovem camponês de do Médio Mearim, falou do trabalho desenvolvido com quebradeiras de coco babaçu, homens e a juventude nos municípios de Lago do Junco e Lago dos Rodrigues, no Maranhão.

“A cooperativa é uma prática coletiva de associativismo que os camponeses podem desenvolver no Maranhão. A Coppalj e suas ações nos dois municípios onde atua é um bom exemplo. É uma referência de modelo de produção para o fortalecimento de uma economia solidária onde os camponeses possam pensar uma política de gestão do processo produtivo até a comercialização”, explicou Jessé Lima.

Composta por agroextrativistas do babaçu, na sua maioria, mulheres, a Coppalj é sócia da Associação em Áreas de Assentamentos no Estado do Maranhão (Assema), que desenvolve estratégias junto a associações e cooperativas voltadas para a preservação e uso sustentável do babaçu e o comércio justo, algumas das quais contam com recursos do Fundo Amazônia.

A cooperativa produz óleo orgânico de coco babaçu (certificado pela IBD). As amêndoas para extração do óleo são compradas das quebradeiras de coco babaçu da região, que recebem o pagamento em dinheiro ou trocam por produtos (da cesta básica e ferramentas de trabalho a itens de higiene e beleza) nas cantinas comunitárias da Coppalj. “A cooperativa surgiu com o objetivo de tirar o atravessador e valorizar o trabalho das quebradeiras de coco babaçu, proporcionando o aumento da renda e beneficiando em torno de mais de 1000 famílias na região”, explica Ildo Lopes presidente da Coppalj.

O produto é comercializado para indústrias de cosméticos nos mercados nacional e internacional. Este ano a cooperativa passou a produzir também o óleo refinado, visando atender aos mercados alimentício e fármaco.

O tem como objetivo principal do Semináro sobre Questões Agrárias no Maranhão foi debater temáticas como mapa da violência agrária no Estado, as lutas e o papel de Movimentos Sociais do Campo possuem no contexto da reforma agrária, um debate sobre as legislações vigentes que tem relação direta com as questões agrárias que hoje estão presentes, a conjutura atual e as políticas públicas voltadas para o fortalecimento do campo maranhense e uma reflexão sobre o papel social da Terra.

Para Jesse Lima, o seminário também foi uma oportunidade reflexões para as universidades a partir das ações que a cooperativa vem desenvolvendo com seus cooperados, bem como para a busca por políticas públicas de produção com pequenas ações que possam vir a fortalecer as atividades camponesas.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

deixe seu comentário