Agroextrativistas de Lago do Junco e Lago dos Rodrigues discutem alternativas de proteção do babaçu

A Cooperativa de Pequenos Produtores Agroextrativistas do Lado do Junco e Lago dos Rodrigues (COPPALJ) realizou a sua 56ª Assembleia Geral Ordinária. O encontro aconteceu nos dias 25 e 26 de janeiro, na comunidade de Ludovico, no município de Lago do Junco/MA, a 300 quilômetros de São Luís, reunindo mais de 100 pessoas, entre quebradeiras de coco babaçu e suas famílias, parceiros e equipe técnica da Associação em Áreas de Assentamentos no Estado do Maranhão (ASSEMA).

O desejo de desenvolver alternativas de proteção dos babaçuais por meio de boas práticas de manejo sustentável esteve na pauta de discussão do encontro. A COPPALJ tem incentivado seus associados (as) a desenvolver práticas produtivas mais compatíveis com a conservação do babaçu, como sistemas agroflorestais (SAF´s), pomar de frutas, criação de animais consorciando pastagem com babaçu e proteção das áreas de preservação permanentes (APP´s). Para a cooperativa todas essas alternativas devem ser praticadas respeitando a sucessão natural da palmeira de babaçu para garanti a reprodução dos meios de vida das comunidades tradicionais do babaçu  

A COPPLAJ é hoje a única cooperativa nacional responsável pela produção de óleo orgânico certificado pela IBD e torta de babaçu comercializados nos mercados nacional e internacional. O óleo é produzido a partir da amêndoa fornecida pelas quebradeiras de coco babaçu da região do Médio Mearim. As amêndoas são comercializadas pelas quebradeiras de coco nas cantinas comunitárias da COPPALJ que efetua o pagamento em dinheiro ou em produtos, variando da cesta básica, ferramentas de trabalho aos mais variados produtos de higiene e beleza. 

Em 2018 a cooperativa bateu recorde de produção, processou 501 toneladas de amêndoas e produziu 221.000  kg de óleo de babaçu orgânico. O preço médio do quilo de babaçu adquirido pela COPPALJ foi de kg/R$ 2,95 (dois reais e noventa e cinco centavos; sendo que o preço médio da região pago pelos concorrentes da Cooperativa foi de R$/Kg 2,50. No ano de 2017, a produção foi de 394.000 toneladas de amêndoas processadas e 197.400 kg de óleo produzidos.

Este ano, a COPPALJ passa a contar com um laboratório para análises do óleo em sua própria unidade. “Vamos poder fazer aqui mesmo as nossas análises do óleo produzido. O laboratório é fruto de um projeto da ASSEMA financiado pelo Fundo Amazônia, parcerias que só vem a fortalecer cada vez mais o trabalho que iniciamos há décadas aqui na COPPALJ”, explica o gerente de produção da fábrica, Gilsimar Ermino.

Após um ano de comercialização direta com cerca de 978 famílias em oito cantinas, a cooperativa obteve uma sobra financeira que será rateada entre seus cooperados (as), o equivalente à R$ 86.615,00 (oitenta e seis mil seiscentos e quinze reais).   

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

deixe seu comentário